sábado, 14 de abril de 2012

Voar



  Por muito tempo deixei-me ficar presa dentro da minha gaiola, chamada de mundo particular, deixei-me iludir por pessoas e por filmes onde sempre tudo é perfeito e dá certo quando a pessoa age com o coração.

  Mas um dia fiquei entediada desse meu mundo particular cuja as coisas aconteciam somente na minha imaginação e não eram reais, sempre que imaginava algo bom, sentia-me como se aquilo estivesse acontecendo de verdade, era real para mim, mas quando eu olhava por entre as grades da minha gaiola, via que existia um mundo fora dela, onde havia dor, e sofrimento, mas também era possível encontrar amor, amigos e felicidade.

  Passei a observar esse mundo curioso, onde as coisas acontecem porque tem que acontecer e não somente do meu jeito, como eu costumava criar histórias de amor lindas em minha imaginação. Nesse mundo fora de minha gaiola, também via pessoas que sofriam, por amor e por dinheiro,mas mesmo assim eu queria sair da minha gaiola e desbravar esse novo mundo para mim, mesmo tendo medo de sofrer, eu queria arriscar ser feliz.

  Mas havia um problema, eu não sabia voar. Tantos anos presa nessa gaiola, na verdade desde que me lembro. Lá dentro eu não tinha espaço para estender minhas azas e voar, lá não tinha horizonte, a não ser quando eu o criava dentro de minha imaginação.

  Eu sempre soube onde ficava a fechadura, mas nunca abri-a por puro medo do que tinha adiante. Tinha tanto medo de não conseguir voar, de não conseguir sobreviver nesse mundo que ao mesmo tempo me fascina, me dá medo.

  Continuei, então a apenas imaginar, até que um dia, as cenas felizes, as histórias de amor que eu mesma construía começaram a se tornar repetitivas demais, e nada mais que eu imaginava me fazia tão feliz como antes.

  Então vi, que naquele mundo que existe fora da minha gaiola, a dor não podia ser evitada, mas constantemente quem vive nele é presenteado com alegrias e amores que eles jamais imaginaram. Resolvi viver essas surpresas da vida, a dor no mundo fora da minha imaginação, do que eu estava acostumado a viver era inevitável, mas assim como a dor eu não poderia evitar a felicidade e o amor de verdade.

  Respirei fundo, pedi para Deus me ajudar e abri a gaiola, coloquei minha cabeça para fora, e pude contemplar pela primeira vez o horizonte, sem que minha visão fosse interrompida pelas grades que me cercavam, para viver nele eu teria que aprender a voar, mesmo nunca tendo feito o mesmo estendi minhas asas e prometi a mim mesma " deixarei que o Senhor me ensine a voar, vou abrir meu coração e sentir o vento passando por minhas asas " , me aproximei da beirada da gaiola, abri minhas asas, respirei fundo e dei um passo a frente.

  Meus pés não tocavam nada a não ser o ar, ah, que sensação maravilhosa! Melhor do que qualquer imaginação que tive sobre o assunto. Bati minhas asas de maneira apaixonada, e voei e ainda voo em direção ao meu Amado.

  Sofri algumas decepções, dores e tristezas, mas finalmente meu coração se abriu para amar, amar ao próximo, amar a natureza, amar a vida!

  E prometo, sempre desfrutar dessa liberdade que tenho através de Cristo, e jamais me prender numa gaiola novamente. Posso me machucar sim, mas também posso ser feliz de verdade.

  Viva o mundo real, pare de viver apenas na sua imaginação.

Por Danielle Fernandes.



  Espero que tenham gostado.

  Todos os direitos reservados.

2 comentários: